Dicas para fazer boas perguntas às crianças

boas perguntas
Para a versão em áudio clique no "play"
Tempo de leitura: 5 Minutos

Vamos dar algumas dicas para fazer boas perguntas às suas crianças.

“Então, a escola correu bem?”

Reconhece esta pergunta? Talvez sim. Maioria dos adultos faz esta pergunta ou similar, quando vai buscar crianças à escola.

Neste artigo:

Eu no passado fiz várias vezes a pergunta: -” Então, a escola correu bem?” – aos meus sobrinhos e, recebia singelos e irritantes, monossílabos!

A resposta invariavelmente era sempre: “Sim!”. Eu ficava doida com isto, eu queria mais, eu queria que eles me contassem como foi o dia, mas, na verdade, eu fazia uma pergunta fechada, que só pedia uma resposta rápida do tipo: sim, não ou mais ou menos!

Mais tarde (felizmente para os miúdos) o coaching apetrechou-me de uma série de ferramentas úteis para manter verdadeiros diálogos com crianças. Com os adultos funciona igual, obviamente! De qualquer forma, este artigo é dedicado à comunicação com crianças.

Eu experimentei e espero que este tema possa ajudar todos os adultos a dialogar com as suas crianças, com resultados avassaladores! Acabaram as respostas sintéticas que nos deixam perdidos, sem saber bem o que perguntar a seguir!

Às boas perguntas para crianças eu passei a denominar de: perguntas C.E.R.A. (anagrama que utilizo apenas para ajudar a reter o conteúdo).

As perguntas C.E.R.A

As boas perguntas, ou perguntas C.E.R.A. são perguntas:

Claras,

Empáticas,

Relevantes,

Abertas

Claras: que sejam de fácil compreensão, ajustadas à capacidade de compreensão da criança, consoante a sua idade,

Empáticas: ajustadas com ao estado emocional das crianças, naquele momento,

Relevantes: que sejam realmente importantes para a criança, não para o adulto, mas sim para a criança,

Abertas: que promovam respostas longas, de reflexão, de opinião ou simplesmente descrição de um determinado acontecimento.

Repare como o facto de usar determinantes interrogativos, nos conduz a respostas mais detalhadas. Sempre que tentar uma pergunta, faça-a a si mesmo.

Se conseguir responder sim ou não, então reformule a pergunta por forma que seja impossível responder um sim ou não.

Perguntas C.E.R.A versus perguntas fechadas

Para fim de dia de escola:


PERGUNTAS C.E.R.A.

PERGUNTAS FECHADAS
Então… conta-me tudo: o que é que aconteceu hoje na escola que te deixou tão feliz/triste?

Percebo na tua cara que estás triste/contente, qual é a razão para essa emoção?


Olá, miúdo(a)! Então? Essa cara quer dizer que…?


…já reparei pela tua expressão que alguma coisa se passou…conta-me o que aconteceu?


Bem…estás em modo “xitex”, conta-me o que aconteceu?


Então…a escola correu bem?

Estás com cara de poucos amigos, porquê?

Olá, miúdo(a)! Então? Foi giro hoje?

…hoje não estás para grandes conversas, pois não?

Estás chateado(a)?

O que é que se passa?

São produtivas.
Mais demoradas.
Aumentam a conexão.
Não produtivas.
Rápidas.
Não fomentam a conexão
.
Por: Novasatitudes 2021

Repare como nós adultos, somos muitas vezes confrontados com perguntas do tipo fechado e, mesmo que estejamos a carregar o mundo nos ombros, por norma, perante uma pergunta tão objectiva, respondemos: sim, não ou talvez.

Não raras vezes ainda conseguimos produzir conversas que acabam pior do que começaram apesar da intenção de quem pergunta ser positiva e ir no sentido de ajudar.

Ao acordar:


PERGUNTAS C.E.R.A.

PERGUNTAS FECHADAS

Bom dia! Com quem sonhaste hoje à noite?

Bom dia! Qual foi o teu sonho, nesta noite?


Bom dia! Quantos sonhos tiveste hoje? Com quem sonhaste?


Bom dia! Já percebi que ainda tens sono…o que é que eu posso fazer para te ajudar a acordar?


Bom dia! Ui…vejo que dormiste mal…como é que te posso ajudar a ultrapassar essa neura?


Bom dia! Dormiram bem? Sabem que já é meio-dia? Acabaram de faltar às primeiras horas de escola. Quem quer ir à escola só na hora do recreio?
*

*- esta pergunta não é aberta mas é óptima para acordarem bem dispostos. Vai gerar muita gargalhada!

Então…dormiste bem?

Estás com cara de sono, porquê?

Bom dia! Dormiram bem?

Vá menina, toca a acordar que já é tarde. Sabes que horas são?

Bom dia! Como é? Vamos levantar cheios de energia?

Bom dia! Ui…que carinha de sono! Ainda tens sono bebé?

São produtivas.
Mais demoradas.
Aumentam a conexão.
Não produtivas.
Rápidas.
Não fomentam a conexão.
Por: Novasatitudes 2021

Para qualquer ocasião:


PERGUNTAS C.E.R.A.

PERGUNTAS FECHADAS

Se tivesses uma varinha mágica, o que é que farias com ela?

Porque é que isso é importante?

O que queres dizer com…?

Como é que podemos descobrir?

Quem, para além de ti, podia ajudar a resolver isso?

A Professora pediu uma composição com 12 linhas, tu escreveste 5. Como é que o teu super-herói escreveria as linhas em falta?

Afinal, o que é que a Professora pediu para o trabalho de português?


Já viste se a Professora mandou algum e-mail sobre o trabalho de português??

Achas que esta composição com 5 linhas foi o que a Professora pediu?

Então se achas que não, porque é que escreveste apenas 5 linhas?

Não sabes?

Já fizeste os trabalhos de casa?

São produtivas.
Mais demoradas.
Aumentam a conexão.
Não produtivas.
Rápidas.
Não fomentam a conexão.
Por: Novasatitudes 2021

Já reparou que estas perguntas fechadas, além de improdutivas, roubam imenso tempo e por vezes levam os adultos ao desespero? Os adultos e não só… também as crianças vão reagir mal por desgaste, são muitas perguntas! Por vezes, tal como nós adultos, já respondemos para criar atrito, é o que normalmente sucede quando começamos a estar cansados de tanta pergunta.


São apenas exemplos que pode começar a praticar com as suas crianças. Vai ficar surpreendido(a) com a capacidade de respostas super interessantes, que os petizes têm para dar!

Estratégia de acção

Em especial, ao acordar. O levantar é na grande maioria das famílias o momento mais stressante, porque todos estão com pressa.
As manhãs são sempre um momento propicio à discussão, às birras, aos berros e choros. Claro que as boas perguntas não podem ser feitas quando nós adultos também estamos sob pressão.
A única formula vencedora é acordar mais cedo e, nessa altura sim, vai ter a tranquilidade de estar com as suas crianças, calmamente a fazer perguntas.


Não dispare perguntas!
Experimente devagar. Uma pergunta de cada vez e aguarde o resultado com calma.
Dê tempo à criança para responder, porque na primeira vez, até a criança vai ser surpreendida, por isso levará alguns minutos a pensar no que lhe pergunta.
Aguarde com calma, não ajude à resposta, deixe-se levar pelo momento.

Ao longo dos dias, vá introduzindo mais perguntas abertas, até se tornar um hábito.
Não se admire se um dia a criança lhe disser: – “Lá estás tu com essas perguntas!” – Normalmente mencionam “essas” porque na realidade elas sentem que são perguntas diferentes, já não podem viver de monossílabos.

Resultado

Apesar da observação, a experiência como KidCoach, diz-me que, quer os pais, quer os cuidadores, quer os familiares bem como as próprias crianças, se sentem mais felizes.
O resultado é que as crianças sentem que estão acompanhadas, que os adultos estão mesmo interessados em saber do seu dia-a-dia, das suas emoções, dos seus sentimentos e, os adultos sentem-se bem porque conseguem criar verdadeiras conexões.

Anteriormente as suas vidas passavam a correr, entre gritos e birras, e sim, não ou não sei, ao mesmo tempo que lutavam com os seus problemas de adultos (gerir a casa, despesas, trânsito, trabalho, etc.) e chegavam ao final do dia exaustos, sem paciência para birras e a desejar apenas que as crianças não os incomodassem.
Dia seguinte: repetia-se a jornada! Tudo igual, a começar logo pela manhã. Atrasos, birras, choros, gritaria.

A estratégia das perguntas C.E.R.A. vai aliviar essa carga diária, vai permitir aos pais e/ou cuidadores, mais informação numa só pergunta e ainda promove a autonomia da criança.

Sugestão de leitura. Como Falar para as Crianças Ouvirem e Ouvir para as Crianças Falarem. Livro de Adele Faber e Elaine Mazlish (vale a pena ler outros títulos destas autoras, não apenas este!)

Veja também:

Deixe uma resposta

Avalie este artigo

O seu endereço de email não será publicado.