Criatividade

Criatividade
Para a versão em áudio clique no "play"
Tempo de leitura: 1 Minuto

A criatividade à luz da Psicologia:

O conceito de criatividade, à luz dos conceitos desenhados por Freud, significa deixar o caminho livre à descoberta.

  • Não utilizar toda a espécie de nobres desculpas para justificar a própria dificuldade de lidar com jovens ainda imaturos, que precisam não só das regras, dos deveres, mas da ajuda para descobrirem como lidar melhor com essas duas forças: actividade e criatividade.
  • Acreditar que é possível mudar, que vale a pena mudar, que os medos, os erros são degraus e podem ser construídos na troca.
  • Por fim, acreditar no valor do sujeito e do grupo e que podem eles ser um novo modelo de identificação para o futuro.

À luz da Filosofia:

De acordo com o filósofo Osho, a criatividade pede liberdade e espaço.

Na sua opinião, somos “bombardeados” de “deves” e “não deves” durante toda a nossa vida. Como resultado, quando uma pessoa vive com milhares de “deves” e “não deves” não pode ser criativa. Fica prisioneira de si própria e acima de tudo, só vai encontrar paredes erguidas à sua frente.

A pessoa criativa – “Precisa do céu inteiro e de todas as estrelas” – segundo o Filósofo.

À lus da Psicopedagogia:

Com o propósito de transformar a aprendizagem numa brincadeira agradável, o Educador tem de, principalmente, ser um criativo. Ele deve procurar que as tarefas que atribui à criança sejam diversificadas.

Assim, deve explorar ao máximo o material de educação e reeducação ao seu dispor, improvisando sempre que possível.

Veja também:

Deixe uma resposta

Avalie este artigo

O seu endereço de email não será publicado.